Vampiros

Vampiros são criaturas miticas que vencem a morte sugando o sangue das suas vitimas humanas. A variação mais comum retrata o vampiro como um morto que se ergue do tumulo à noite para procurar as suas vitimas adormecidas. O vampiro é um tema popular em filmes que começaram com a novela Dracula de Bram Stokers e foram acrescentando variações como a habilidade para voar, o desejo por belas mulheres que se tornam vampiros quando mordidas, medo do simbolo da cruz cristã, o medo do alho, ou das flores do alho, e morte pela luz do sol ou por um pau espetado no coração (uma morte apropriada para uma personagem baseada num guerreiro do século 15, Vlad o Impalador).

Lendas de criaturas que chupam sangue são encontradas em muitas culturas ao longo da história. Uma das mais populares dos nossos dias é o chupacabra. O vampiro é tambem um tema literario popular. Existem numerosas descrições da origem, natureza, poderes, etc, dos vampiros. O que parece ser universal é a sua ligação com o medo da morte e o desejo de imortalidade. O ritual de beber sangue para vencer a morte foi praticado por muitos povos. Os Aztecas e outros, por exemplo, comiam o coração e bebiam o sangue dos captivos em cerimónias rituais para satisfazer os deuses e ganharem para eles fertilidade e imortalidade. Tambem nos ritos de Dionisius e Mithras, em que o beber sangue de animais era requerido para a busca da imortalidade. Mesmo hoje, alguns cristãos acreditam que os seus padres realizam uma transubstanciação mágica do pão e vinho no corpo e sangue de Cristo para ser comido e bebido na procura de se juntarem a Deus na vida eterna.

Podemos afirmar que progredimos na nossa busca ritual de vencer a morte. Primeiro, sacrificamos humanos e bebemos o seu sangue para manter os deuses contentes, ou nos juntarmos a eles e vencer a morte. Depois substituimos os humanos por touros e outros animais para atingir o mesmo fim. Finalmente progredimos para um menu vegetariano. Mesmo assim, a verdade básica é deprimente: para vivermos, alguem ou alguma coisa tem de morrer.

Se isto o liberta ou não depende, penso, do seu lugar na mesa ou em cima da mesa. Já que estamos numa de metáforas, podemos tambem notar que os vampiros se tornaram uma metáfora para os que se definem e se criam destruindo outros. Pessoas cujas vidas se centram em destruir as vidas dos outros, sugando-lhes o poder, que reduzem as suas vitimas a dependentes, teem sido chamados vampiros espirituais. Alguns dos terapistas, religiosos e gurus que aparecem no Dicionário podem ser chamados vampiros espirituais com toda a propriedade.

Esta ligação entre vampirismo e a busca da imortalidade parece ter-se subordinado na literatura e nos filmes, a outros temas, como o sangue pelo sangue, e a entrada no limiar do oculto. Um sinal da deterioração cultural da nobre busca dos nossos antepassados pela imortalidade pode ser vista no sentido secundário moderno de "vampira": uma mulher que explora e arruina o seu amante. Outro exemplo da deterioração são os numerosos sites WWW sobre vampiros que apelam ao oculto ou interesses da Nova Era como a entrada no lado obscuro da realidade, ganhar poder, ou vender produtos comerciais e jogos.

Aparentemente, jogos e mascaradas como vampiros não é suficiente e os cultos de "vampiros" emergiram entre alguns ocultistas. Procuram sangue para lhes dar poder, energia sexual, ou criar uma personagem baseada no medo dos outros. Ao contrário dos nossos antepassados, o seu poder não é procurado devido à ignorância e incompreensão da natureza, mas sim à ignorância e incompreensão deles mesmos. Como outros cultos, este é atractivo para os jovens e os fracos. ("5 cultistas de vampirismo envolvidos em mortes," titulo do Sacramento Bee (29, Novembro, 1996, p. A28). Os cinco são jovens de um auto-intitulado "Vampire Clan" no Kentucky. São procurados pelas mortes de Richard e Naomi Wendorf de Eustis, Florida. A filha de 15 anos das vitimas é um dos suspeitos, juntamente com o seu namorado que foi descrito por colegas como tendo-se gabado de imortalidade como vampiro.)

Os que procuram força e conhecimento instantaneos, esperando que os novos poderes os levem a uma posição dominante, são atraidos pela imagem das trevas. Há alguns anos, esses "vampiros" teriam sido considerados doentes ou maus. Hoje, diz-se que teem um "estilo de vida alternativo".


Links

Anscombe, Roderick. The Secret Life of Laszlo, Count Dracula, (New York : Hyperion, 1994).

Barber, Paul. Vampires, Burial, and Death: Folklore and Reality (New Haven : Yale University Press, 1988).

Clark, Stephen. How to Live Forever (Routledge, Inc.: New York, 1995).

Gelder, Ken. Reading the Vampire (London: Routledge, 1994).

Smith, Homer W. Man and His Gods (Boston: Little, Brown and Company, 1953).

recuarhome